terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Presas e predadores organizacionais


Quando, há dezenas ou centenas de milhares de anos, nossos antepassados saíam das suas cavernas para tentar encontrar comida, era grande a probabilidade de, em vez de presas encontrassem predadores, passando de caçadores a caça. O mundo que os rodeava era hostil, cheio de ameaças. Comparando com o mundo atual, parece que só os predadores é que mudaram.

Nas organizações o pressuposto de trabalho em equipe leva-nos a crer que no âmbito das competências pessoais, cada elemento deve desempenhar seu papel com vistas à produção de um bem ou serviço, integrando um trabalho colaborativo. Assim, a evolução de uma carreira deveria acontecer pela soma de resultados gerados pelas competências de um indivíduo.

No entanto, existe um mundo paralelo ao do trabalho onde os predadores estão esperando a presa certa, para poderem iniciar sua escalada ao topo da hierarquia organizacional. Geralmente os predadores nas organizações e na sociedade estão revestidos em pele de cordeiro, passando a impressão de que são confiáveis, bonzinhos, educados, e muito honestos. O predador desenvolve essas falsas características, para compensar a ausência de competências que o cargo ou função exige.

A primeira presa deste predador é sua chefia: no momento em que reconhece que o predador não possui todas as competências necessárias para o cargo, mas como o predador apresenta a cara de moço confiável, dá a oportunidade para o mesmo se instalar entre os membros de sua equipe.

O predador ao integrar uma equipe, identifica de imediato aquele que é o mais competente, cercando de forma espetacular a quem chama discaradamente de amigo. A falsa imagem de bom caráter é bem vendida. A presa passa a ser o seu confidente, afinal a informação é importante para o predador. Após ganhar a confiança da presa o predador dá o segundo passo, começa o trabalho de isolamento da presa, difundindo entre os demais componentes da equipe e principalmente para a chefia da chefia, aspectos que depreciam, que criam uma falsa imagem que denigrem a sua presa. É o início de sua escada organizacional, onde pessoas são apenas trampolim para o seu objetivo pessoal que é o de ocupar cargo. Ao chegar ao cargo pretendido, sua permanência é assegurada pela rede de presas que admiram o bom moço e o falso bom caráter, promovendo toda a espécie de ajuda para a sustentação no cargo.

Precisamos nos dias atuais reconhecer um predador. Se no passado tinham a forma de animais, hoje possuem a forma humana, embora da natureza humana não tenham mais qualquer resquício, a não ser o da aparência.

2 comentários:

João Rogério da Rosa disse...

Quero cumprimentar o autor pelo artigo. Parece que foi escrito para mim.
Eu vivi a situação descrita. Ajudei um colega de trabalho que não tinha grandes conhecimentos, falei com minha chefia para darmos uma oportunidade, que era um bom sujeito, como vc fala, era um lobo em pele de cordeiro.
O cara era um trator, quando consegui acessar os meios de comunicação superior, criou intriga, passou por cima da chefia, e agora se faz de santo junto ao Presidente de minha empresa. Estão para criar uma área de controladoria para colocar o infeliz como reponsável. O cara vai falir a empresa.
Mas a vida é asim, quem não tem competência, sobe puxando o saco. E quem tem caráter só resta lamentar...

Ranei disse...

Ao cumprimentar o autor pelo artigo esclarecedor, peço a licença para tecer algumas considerações:

Poderíam-se disseminar armadilhas institucionais para capturar predadores e enviá-los ao seu ambiente natural, a selva de pedra urbana.

Capturar e prender energia vital vem sendo jogado desde o início da existência humana. Precisamos reconhecer que nos tira e que nos dá energia, disso depende nossa vitória e conquista por espaço institucional. Predadores e Prezas, todo somos um mesmo ente sedento de poder, cuja ambição de subjulgar não tem limites físicos.

O segredo seria estabelecer uma auto imagem forte e vigorosa, ou seja a imagem do vencedor, que é a única respeitada pelo subconsciente do caçador e do alpinista institucional.