quarta-feira, 7 de maio de 2014

A mentira como verdade


George Orwell
"A linguagem política é destinada a fazer com que as mentiras soem como verdades e a simples brisa receba uma aparência de solidez".

Niestzsche
"Mentir para os outros é exceção. A principal mentira é aquela que a pessoa conta para si mesma".

Certos políticos ou indicados políticos têm especial propensão de incluir em seu arsenal da linguagem política a mentira deslavada, e, como estratégia, repetir mil vezes a mesma mentira, o que convence o autor que está espalhando uma verdade. E, não vai faltar mídia para isto.
Se o bom senso nos permite não apenas ponderar mas também intuir, e este bom senso está ancorado em nossa experiência de vida, podemos inferir que o bom senso é um atributo dos esclarecidos, e neste ponto reside o problema. Interessa a classe política atual do país ter uma população esclarecida.
Assim, em uma sociedade onde a experiência de vida é balizada pelas dificuldades da vida,  será sempre mais fácil criticar do que fazer, e diante do vazio causado pela incompreensão, sobra para os estúpidos, se alimentar de mentiras contadas como verdades.

Um comentário:

Saul Abbad disse...

Adauto, cabe aos homens de bem, o bom senso, e não permitir que a mentira contada 1000 vezes se torne verdade, como pensava Goebbels...
Não podemos esperar de alguns políticos, pautados por diversos interesses, inclusive os próprios, que tenham interesse na verdade. Apenas quando os favorece, caso contrário, omitir ou recontar.