domingo, 20 de julho de 2014

Aonde as mídias sócias vão nos levar "?"

Nossos filhos estão crescendo sem qualquer conceito de privacidade. Tudo precisa ser gravado, publicado e curtido. Quanto mais amigos, mais popular! Se no passado a privacidade nos permitia entender quem somos, hoje as mídias sociais sequestram nossas vidas, e em nome da transparência os governos liberam os nossos dados pessoais, que agora passam a ser de domínio público.
Nome, CPF, endereço, telefone, salário, fotos pessoais, das famílias, de amigos, tudo disponível em rede, junto com comentários, opiniões, reflexões. Isto é temível por muitos e aplaudido por muitos.
E agora, qual é o significado de privacidade. "?"
Na Wikipédia: privacidade é o direito à reserva de informações pessoais e da própria vida.

sábado, 19 de julho de 2014

Ponte de Laguna x Ponte de Millau

Ponte de Laguna/SC


A obra é parte do projeto de duplicação da BR-101 sul, com  2.825 metros de comprimento e 25.3 metros de largura. Os 400 metros do vão central da ponte serão suspensos por 60 cabos de aço (15 para cada lado). As duas torres terão tamanhos diferentes. A torre Norte terá 65,07 metros e a torre Sul terá 52,10 metros. O Investimento inicial é de 597 milhões de reais.

Ponte de Millau sudoeste da França

As informações a seguir retiradas da Wikipesia, indicam que o viaduto Millau é formado por oito trechos construídos em aço, suportados por cabos estaiados escorados em sete pilares de concreto (betão) armado. A pista pesa 36.000 toneladas, e tem 2460 metros, com 32 m de largura por 4,2 metros de altura. Forma a maior pista suportada por cabos do mundo. Os seis vãos centrais medem 342 m cada e os outros dois, nas pontas, 204m cada. A pista de rolagem tem uma declividade de 3% do sul para o norte, com curvas suaves de 20 km de raio, o que dá aos motoristas excelente visibilidade. Comporta duas faixas de tráfego de cada lado.
Os pilares medem de 77 até 246 m, com a seção variando de um diâmetro de 24,5 m na base até 11 metros no alto. Cada um pesa 2230 toneladas. Os pilares foram construídos primeiro, juntamente com pilares adicionais e temporários em aço, então as rampas deslizaram por eles a uma velocidade de 600 mm a cada quatro horas, pela força de macacos hidráulicos guiados por GPS.
A construção começou em 10 de outubro de 2001, e estava planejada para durar três anos, mas as más condições climáticas atrasaram a inauguração para o dia 14 de dezembro de 2004 e aberto ao tráfego dois dias depois.
A construção da ponte consumiu mais de 394 milhões de euros, com uma praça de pedágio 6 KM a norte adicionando mais 20 milhões. Os construtores, Eiffage, financiaram a construção, pela concessão do direito de recolher pedágio até 2080. Entretanto se a concessão for muito rentável, o governo tem a opção de assumir a ponte em 2044.
A construção consumiu 127.000  de concreto, 19.000 toneladas métricas de aço para a estrutura e mais 5.000 toneladas métricas de aço pré-estirado para o estaiamento. Os construtores afirmam que a ponte tem uma vida útil estimada em 120 anos

Fica a dica: Vamos acompanhar o tempo que vai demorar para ser aberta para o tráfego e o custo da ponte de Laguna!

Obras incríveis: A Ferrovia Mais Alta do Mundo



O sistema de transporte ferroviário no Brasil segue a moderna técnica construtiva das rodovias nacionais. Prazos indeterminados, com custos sempre superiores aos praticados nas  demais regiões do globo.

A NatGeo neste documentário nos mostra os desafios de milhares de trabalhadores para construir uma ferrovia em um dos ambientes mais extremos da Terra no prazo de 5 anos. Para assentar mais de mil quilômetros de trilhos em lugares remotos, escavar sete túneis e construir 675 pontes em uma altitude onde é quase impossível respirar, foram necessários os esforços de 140 mil trabalhadores e dois mil paramédicos, profissionais que durante cinco anos conquistaram este ambiente hostil e deram forma à ferrovia Qinghai-Tibet, a mais alta e extrema do mundo.

Fica a constatação, pelo menos para mim, que os nossos políticos são mais destrutivos que os ambientes extremos da Terra.

sábado, 12 de julho de 2014

A vitória da estupidez


Se, o preconceito, por não ser fundamentado na razão, não pode ser removido com argumentos (S. Johnson). A Guerra é a consequência natural da estupidez humana. 

A ONU é inoperante II


Israelenses e Palestinos, a ONU só vai se pronunciar quando a Paz for substituída pela Guerra. Fica a constatação: Lideres para a corrupção e para a guerra estão em todos os lugares, mas lideres para nos conduzirem para a Paz, estão confinados hoje, em que lugar! Já que não ONU, não estão.

sábado, 5 de julho de 2014

Tempo de mudança II


Já foi dito, mas não é demais repetir: não basta um governo parecer que atua de forma correta, mas sim, estar  acima de qualquer suspeita de que sua atuação é correta.

O Relógio da República, precisa se ajustar ao tempo perdido, relacionado ao que deixou de fazer e ao tempo de paciência pedido para a sociedade. Não se trata de uma crise de alternativa, mas a necessidade do Governo estar em sintonia com as demandas da sociedade e de tomar as decisões corretas, no tempo certo.

Precisamos de uma renovação moral, porque há, tem havido, demasiada gente sem qualidade em muitas instituições públicas, que já se esqueceram das razões por que foram criadas, e que no Olimpo, a segredo, os deuses tramam nossas vidas sem se importar com as reais necessidades dos cidadãos.

Não somos farinhas do mesmo saco, e nem tudo está encadeado. Isto explica porque as atitudes e os comportamentos são diferentes de pessoa para pessoa. Assim, a pessoa certa faz a diferença, da mesma forma que o talento de um artista não pode ser substituído pela indicação política de um amador.

O poeta Fernando Teixeira de Andrade, sintetiza tudo:

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”

Tempo de mudança

Cada segundo é tempo para mudar tudo para sempre.
Charles Chaplin